ESPECIALIDADES

Soluções Ambientais
Excelência no controle contra as pragas


Excelência no controle contra as pragas!

Sanitização de Ambientes

Se sua pergunta é se a Sanitização de Ambientes ajuda a combater o Coronavírus, a resposta é sim! Ela elimina vírus, bactérias, ácaros, fungos e outros agentes patogênicos. A aplicação é feita nas áreas de maior contato/contaminação, como, elevadores, maçanetas, portas, corrimões, paredes, pisos, cadeiras, sofás, janelas, objetos, e outras superfícies fixas e móveis.

Consideramos três fatores para execução do processo, que juntos potencializam a eliminação dos microorganismos em superfícies fixas, sendo: 

Ação química: Aplicação de produto à base de quaternário de amônia, o mesmo princípio ativo recomendado e utilizado na China e Itália para controle da pandemia.

Tempo: Período ação do produto que permite ao desinfetante atuar na eliminação dos microorganismos, bactérias, vírus, etc.

Ação mecânica: Uso de pulverizadores e atomizadores que dispersam o produto em micropartículas nas superfícies de forma uniforme, criando uma película que atua no processo de desinfecção.

Para conhecer um pouco mais sobre o Sanitização de Ambientes ou para agendar uma visita, fale com um dos nossos especialistas.

Controle Integrado de Pragas

Trabalhamos com Desratização (Controle de Roedores), Desinsetização (Controle de Insetos), Descupinização (Controle de Cupim).


 
Desratização (Controle de Roedores)

Se você não se incomodou vendo um rato cozinhando no cinema, não sabe quais riscos isso pode trazer para sua saúde e seu bolso! Isso mesmo! Sabia que, além de ser responsável pela transmissão de várias doenças, os roedores também destroem cabos elétricos, madeiras e até mesmo alumínio? E vamos combinar que dinheiro não dá em árvore, né? Por isso é tão importante manter em dia com o controle de pragas e quem sabe, até não sobre uma graninha extra no final do mês!

Os roedores são extremamente inteligentes e cada espécie possui hábitos diferentes. E o mais chocante é que são os responsáveis pela transmissão de mais de 35 doenças aos humanos e animais domésticos! No meio urbano, as três principais espécies são:

- Rato de Telhado: Ágeis e com hábitos noturnos, esses roedores estão presentes em áreas urbanas e representam um perigo para a saúde pública, por serem transmissores de doenças. São animais onívoros, porém apresentam seletividade com seus alimentos. Além disso, são ótimos na escalada, podendo encontrá-los em telhados e forros.

- Ratazanas: A maior e mais comum espécie encontrada no Brasil. Esses onívoros se alimentam de qualquer resíduo presente nas lixeiras. Gostam de estar em ambientes escuros, aquecidos e úmidos, por isso, normalmente são encontradas em tubulações de esgoto.

- Camundongo: A menor das espécies. Possui o olfato altamente sensível e tem facilidade em se adaptar ao ambiente. Alimenta-se de 15 a 20 vezes por dia e pode ser encontrado em casas, fazendas e forros. 

Existem algumas metodologias utilizadas por nós para o controle e monitoramento de roedores, sendo as mais comuns a instalação de porta iscas e o túnel cola. A metodologia a ser aplicada é definida a partir da identificação da espécie e do comportamento do roedor no ambiente determinado.

- Porta Iscas: São instaladas caixas PIP (Ponto de Iscagem Permanente) em locais estratégicos, que servem não apenas como isca para atrair as pragas, mas também para o monitoramento da infestação. É importante dizer que esta metodologia é de extrema segurança, uma vez que o compartimento é chaveado, tendo acesso somente através dos operadores técnicos.

- Túnel Cola: Essa metodologia consiste na instalação de armadilhas com placas de cola em seu interior. Costuma ser utilizado, com mais frequência, em ambientes controlados, cujas determinações normativas proíbem o uso de raticidas.

Os pontos de instalação das armadilhas são definidos estrategicamente após a realização detalhada de vistoria do ambiente.

Para conhecer um pouco mais sobre o comportamento dos roedores ou suporte para identificação de espécie, fale com um dos nossos especialistas. 

Desinsetização (Controle de Insetos)

Baratas:

Quando você escuta que baratas podem sobreviver a uma guerra civil, acredite! São insetos pré-históricos, bem resistentes e que carregam várias bactérias por onde passam. Apesar de viverem pouco tempo, possuem alta capacidade de reprodução, muito rápido, o que favorece a possibilidade de infestação no ambiente. 

Geralmente, estão em busca de água, abrigo e alimento e são altamente adaptáveis. No entanto, cada espécie atua de uma forma no ambiente.  Vamos te mostrar aqui as duas principais espécies de baratas: 

Barata de Cozinha: Essa baratinha geralmente aparece na sua casa vindo por meio de sacolas, caixas, malas, etc. Normalmente, abrigam-se nas tubulações elétricas ou nos armários de cozinha. Para essa espécie, quase tudo é alimento, inclusive outras baratinhas semelhantes, quando não encontram alternativas.

Barata de Esgoto: Também conhecida como a tão temida barata voadora!!! Esses insetos costumam viver em locais isolados, quentes e úmidos durante o dia e, durante a noite, saem em busca de alimentos. Sua coloração é marrom avermelhada e podem sobreviver até 90 dias apenas ingerindo água. 

Atualmente, o mercado de controle de pragas possui diversas tecnologias a serem aplicadas a cada caso, em específico, a depender da necessidade e das condições particulares de cada ambiente. As técnicas mais comumente utilizadas por nossa empresa são: aerossol, gel, pulverização e o polvilhamento. É sempre bom lembrar que a definição do método a ser aplicado vai depender da identificação da espécie e do nível da infestação no ambiente. 

Aerossol: Utilizado para desalojar as baratas de seus esconderijos, consegue alcançar até as abrigadas no fundo de frestas e fendas. Possui ação instantânea, através da ingestão ou do contato do inseto com o produto, que atua diretamente em suas nas células nervosas provocando paralisia e morte.

Gel: Aplicado em pontos estratégicos, tem como objetivo a contaminação através do consumo. Uma vez contaminada, a barata pode disseminar os efeitos para mais de 50 outras. Com ação residual, o gel inseticida apresenta alta palatabilidade e consegue atrair os insetos mesmo com outras fontes de alimento no ambiente.

Pulverização: Usado de forma preventiva em sua forma residual, esse método é aplicado em locais estratégicos para a contaminação da barata ou também para controlar uma alta infestação no ambiente.

Polvilhamento: Consiste na aplicação de pó seco em ralos e bueiros, cujo objetivo é desalojar as baratas. Sua contaminação é feita através do contato direto do inseto com o pó, que atua no sistema nervoso central, provocando paralisia e morte das baratas.

De acordo com a Norma Regulamentadora da ANVISA (RDC 52/2009) é necessário a desinsetização preventiva a cada mês.

Para conhecer um pouco mais sobre o comportamento das baratas ou para agendar uma visita, fale com um dos nossos especialistas.


Formigas:

Apesar de extremamente pequenas e aparentemente inofensivas, as formigas podem ser não apenas um incômodo, mas também responsáveis pela transmissão de doenças (por serem vetores de bactérias), por desencadearem reações alérgicas e causarem danos a aparelhos eletrônicos (por se alojarem e construírem ninhos neles). 

O acúmulo de resíduos no ambiente é uma das principais causas para a infestação dos insetos, mas cada espécie age de uma forma diferente. Vamos te mostrar aqui os três principais tipos de formigas:

Formiga Carpinteira: Normalmente constroem seus ninhos em estruturas de madeiras (troncos, armários de madeiras e batentes de portas). Alimentam-se da seiva das plantas, fungos e outros insetos. São relativamente grandes e consideradas rápidas, quando comparadas às outras espécies.

Formiga Louca: Seu nome é inspirado em sua maneira de andar, de forma irregular. Possuem antenas longas e costumam fazer seus ninhos em prédios, atrás de pedras e janelas.

Formiga Fantasma: Por serem extremamente pequenas e possuírem cor pálida, são quase imperceptíveis, além de altamente adaptáveis aos ambientes para a construção de seus ninhos. É comum encontrá-las dentro de casa.

Algumas das metodologias que utilizamos com mais frequência para o controle de formigas são o gel e o polvilhamento. A definição da técnica a ser aplicada depende, essencialmente, da identificação da espécie, do nível da infestação e das condições do ambiente.

Gel: Aplicado em pontos estratégicos, permite que as formigas consumam a isca e contaminem as demais, assegurando um controle ágil e eficiente. Com ação residual, o gel inseticida apresenta alta palatabilidade, o que permite que as formigas sejam atraídas para as iscas mesmo com outras fontes de alimento no ambiente.

Polvilhamento: É aplicado pó seco direto nos formigueiros para o controle e extermínio da colônia de forma imediata. Sua contaminação é feita através do contato do inseto com o produto, que atua diretamente no sistema nervoso central das formigas, provocando paralisia e consequente morte.

Recomenda-se que a desinsetização preventiva seja realizada mensalmente, como forma de evitar o desenvolvimento de uma infestação.

Para conhecer um pouco mais sobre o comportamento das formigas ou para agendar uma visita, consulte com um dos nossos especialistas.


Mosquitos:

É quase impossível não se incomodar com o zunido desses insetos durante uma noite tranquila de sono! Além de todo o incômodo, os mosquitos são os maiores transmissores de doenças do mundo: dengue, zika, chikungunya, malária e a febre amarela são algumas delas.

São atraídos pela disponibilidade de alimento, água, possibilidade de abrigo e um local para depositarem seus ovos. Por isso, se instalam em pontos estratégicos e passam a ser um problema para nós. Vamos te mostrar aqui os dois principais tipos de mosquitos:

Mosquito Culex: Essa espécie é famosa por atrapalhar sua noite de sono! Eles têm hábitos noturnos e costumam se abrigar atrás dos móveis, nos banheiros e armários. O macho se alimenta de frutas e néctar e a fêmea, de sangue. Sua picada causa coceira e vermelhidão, podendo, inclusive, desencadear alergias.

Aedes Aegypti: Esse é o grande vilão, responsável pela transmissão da dengue, zika e chikungunya. Sua presença é mais acentuada durante a primavera e o verão, por apresentarem condições que favorecem sua reprodução. Assim como o Culex, se alimentam de frutas e néctar, mas precisam de sangue para o desenvolvimento de seus ovos. Costumam ficar em sombras ou dentro de casa. Apresentam listras brancas pelo corpo e, geralmente, picam durante o dia.

Nesse caso, faz-se necessária a adoção de métodos estratégicos que visam a eficiência do produto, a preservação da integridade das pessoas e do Meio Ambiente.

Larvicida: Aplicado em possíveis criadouros de larvas de mosquitos, tem por objetivo impedir que alcancem a fase adulta, interrompendo seu ciclo de vida.

Pulverização: Consiste na aplicação de produto químico de ação residual em pontos estratégicos, por meio de pulverizador manual, cujo objetivo é atingir o mosquito adulto no momento em que pousar nessas superfícies para repouso ou desova.

Controle Espacial: Feito para o controle de mosquitos durante seu voo. Possui ação instantânea com um alcance de até 12 metros de distância. Podendo ser feito com duas metodologias para área externa:

- TERMONEBULIZAÇÃO - Nebulização em baixíssima dose, diluída em uma base oleosa. A névoa inseticida produzida pelo equipamento se espalha rapidamente pelo ambiente e, ao entrar em contato com o inseto, ocasiona-lhe a morte. 

- UBV - Nesse caso, o inseticida é fracionado em pequenas gotas que, em aplicações a ultrabaixo volume, são capazes de atingir dimensões ideais para impactar o mosquito em pleno vôo. O inseticida aplicado em UBV tem o aspecto de névoa bem fina e não afeta a visibilidade no momento da aplicação. 

Armadilhas de Monitoramento: Tem por objetivos capturar e identificar as espécies para a otimização dos métodos de controle. 

Para conhecer um pouco mais sobre o comportamento dos mosquitos ou para agendar uma visita, fale com um dos nossos especialistas.


Moscas:

Quem já não tentou acertar uma mosca e falhou miseravelmente que atire a primeira pedra! Sim, esses insetos possuem uma técnica de voo dinâmica e bem veloz! Seus olhos são formados por milhares de microlentes que formam uma visão de 360°, capaz de ver o ambiente inteirinho! Então, nem adianta tentar pegar de surpresa, porque estão de olho em tudo. 

Apesar de não apresentarem um ciclo de vida longo (aproximadamente 12 dias), as moscas se reproduzem rapidamente e podem colocar até 500 ovos durante sua vida. Um terror! Algumas espécies são mais comuns no nosso dia a dia em ambiente urbano, aqui vamos te mostrar os dois principais tipos de moscas:

Mosca Doméstica: O que destaca essa espécie é a sua adaptação às áreas urbanas, uma vez que o clima quente é favorável à sua procriação. Além disso, se desenvolvem em matéria orgânica e podem voar até 18 km por dia.

Mosca Varejeira: Conhecidas e facilmente identificadas pelos seus tons metálicos, essa espécie normalmente é encontrada em locais onde há acúmulo de resíduo orgânico.

Para o controle de moscas, os métodos mais comumente utilizados são a pulverização e a armadilha luminosa. A metodologia a ser aplicada a cada caso é definida a partir da identificação da espécie e do nível da infestação do ambiente.

Pulverização: Consiste na aplicação de produto químico de ação residual em pontos estratégicos, por meio de pulverizador manual, cujo objetivo é atingir o inseto no momento em que pousar nesses locais para repouso ou desova.

Armadilha Luminosa: Além de capturar, tem por objetivo identificar o volume populacional de moscas no ambiente para a otimização dos métodos de controle.

Para conhecer um pouco mais sobre o comportamento das moscas ou para agendar uma visita, entre em contato com um dos nossos especialistas.

Descupinização (Controle de Cupim)

Chegam sem fazer barulho e quando você percebe sua presença já fizeram um estrago e tanto. O cupim apesar de pequeno pode causar grandes prejuízos, acabam com móveis e estruturas. Vivem em colônias com uma organização hierarquizada em castas, cada um com sua função. 

A maneira que cada espécie interage com o ambiente é diferente, vamos te mostrar aqui os três principais tipos de cupins:

Cupim de Madeira Seca: O mais conhecido por invadir casas, destruir seus móveis e deixar “farelos” no local. Farelos? Sim, esses farelos são as fezes dele. Se alimentam e invadem objetos e estruturas de madeira com baixa umidade, por preferirem se alimentar de celulose derivada dos mobiliários.

Cupim Subterrâneo: Sabe aqueles túneis que você encontra em paredes e tabeiras? Esses são os caminhos que essa espécie deixa quando saem de suas colônias em busca de alimento. Costumam construí-las abaixo do solo. Dependem da umidade para se desenvolver e sua dieta é baseada em objetos e estruturas que integre celulose. Ou seja, podem comprometer a estrutura da sua casa.

Cupim Arbóreo: Apesar do nome, essa espécie também constrói sua colônia em outros locais (próximo às árvores), costumam estar presentes em áreas com mata e cerrado. Se alimentam de qualquer madeira ou derivado de celulose, deixam caminhos pelas superfícies. 

Existem algumas metodologias utilizadas por nós para o controle e monitoramento de cupins. A metodologia a ser aplicada é definida a partir da identificação da espécie:

Injeção: Tratamento realizado para Cupins de Madeira Seca, o produto é injetado direto no local afetado, eliminando-o de forma instantânea. 

Barreira Química: Usada principalmente para cupim subterrâneo. Aplicado em todo o perímetro da construção, formando um anel químico prevenindo a entrada e contaminando os caminhos dos cupins com sua ação residual, eliminando as colônias. 

Sistema Sentricon: Para cupim subterrâneo, somos operadores autorizados da Syngenta para operacionalização do sistema de eliminação de colônias (Sentricon). Ao contrário dos métodos tradicionais, o Sentricon age diretamente na colônia, elimina a fonte do problema sem causar qualquer impacto ambiental e fornece uma proteção ao longo prazo. Ele permite o monitoramento durante o tratamento.

Para conhecer um pouco mais sobre o comportamento dos cupins ou para agendar uma visita, fale com um dos nossos especialistas.

Afastamento de Aves (Controle de Pombos)

Você sabia que os pombos recebem proteção por uma lei ambiental (9605/98)? São conhecidos, também, como “ratos de asas” e, além de serem vetores de doenças, causam diversos prejuízos econômicos. No Brasil não temos predadores naturais dos pombos, fazendo com que eles se proliferem de forma desordenada! Colocam 2 ovos por ninhada e podem ter até 6 ninhadas por ano.

Em condições silvestres podem viver até 15 anos, mas na cidade, os pombos urbanos chegam até 5 anos. A espécie conseguiu se adaptar muito bem, se alimentando de qualquer resto de alimento deixado por nós, e por isso se espalhou com facilidade pelo território nacional. 

Existem algumas metodologias utilizadas por nós para o afastamento dessas aves do seu ambiente:

Soluções Convencionais: Consiste na instalação de espículas, telas, entre outros. Essas soluções impedem o pouso ou a entrada do pombo no local.

SIAMA: Somos operadores autorizados do 3.com para operacionalização do sistema eletromagnético para afastamento de pombos. Ao contrário dos métodos tradicionais, o SIAMA gera pulsos magnéticos que repelem as aves.

Para conhecer um pouco mais sobre o comportamento dos pombos ou para agendar uma visita, fale com um dos nossos especialistas.

Capina Química

Sabe aquela vegetação que se torna indesejada apenas quando você percebe que sua presença já fez um estrago e tanto? A Capina Química atua no banco de sementes das plantas daninhas que estão presentes no solo, o que evita a infestação nas áreas capinadas. Pode parecer um pequeno problema, mas quando não tratamos essa vegetação indesejada, seu crescimento pode ocasionar em danos em equipamentos e estruturas, causando prejuízo.

Para praticar essa atividade é necessário que a empresa possua uma Licença Ambiental no INEA e um Responsável Técnico. É realizada com o auxílio de um pulverizador, aplicando herbicidas (certificados pelo INEA) nas áreas necessárias.

Para conhecer um pouco mais sobre a Capina Química e suas regulamentações ou para agendar uma visita, fale com um dos nossos especialistas.

Higienização de Reservatórios de Água

Você sabia que depois que a água chega no seu reservatório se torna sua responsabilidade manter a qualidade da mesma? E é fundamental garantir a limpeza da caixa d’água, caso contrário, põe em risco sua saúde. É necessário manter ela sempre bem fechada pois podem se tornar criadouro do mosquito da dengue.

A limpeza é feita através do hidrojateamento das paredes, piso e teto com água potável. Os resíduos e água contaminada são aspirados com bombas de sucção e descartados. Após a higienização é realizada a desinfecção do reservatório. A equipe que realiza essa especialidade deve ser certificada com a NR-33 e NR-35.

Essa limpeza precisa ser uma ação regular, indicamos que de seis em seis meses para evitar o acúmulo de sujeiras e micro-organismos que possam contaminar a água.

Atendimento via WhatsApp